Quem são os grandes teólogos?

2
4075
Uma conversa com Gerald McDermott
Colaborador do TGC: Trevin Wax

27 de Setembro de 2012

Hoje estamos revendo uma entrevista dada anteriormente à Kingdom People com Gerald McDermott, professor de religião e filosofia no Roanoke College em Salem, Virginia. Seu novo livro é intitulado de Grandes Teólogos  (veja minha resenha aqui.)

Ele também é autor dos livros 12 sinais da verdadeira espiritualidade: O Deus visível; e God’s Rivals: Why Has God allowed Different Religions? Insights from the Bible and the Early Church.

Trevian Wax: Seu novo livro traz o perfil de onze teólogos através da história cristã. Por que estes teólogos são (muitos dos quais viveram há mais de mil anos) relevantes para o cristianismo hoje?

Gerald McDermott: Deixe-me tentar responder esta questão com uma ilustração. Suponha que você saiba que existe uma grande mulher de Deus em sua igreja que tem lido a Bíblia e teologia por quarenta anos. Ela não apenas tem profundo conhecimento das Escrituras e de como interpretá-la na vida e na cultura, mas também anda em santidade. As pessoas frequentemente notam sua humildade e amor.

E se você fosse tomar a seguinte decisão: “Vou construir minha própria teologia (a qual é, lembre-se, sua visão de Deus) por mim mesmo, simplesmente lendo a Bíblia e livros de teologia”.

Isto não seria estranho, uma vez que se tem uma teóloga piedosa em seu meio? Na verdade, isto não parece ilustrar um orgulho pecaminoso? Isso traz à mente o alerta de Provérbios: “os loucos desprezam a sabedoria e a instrução” (1:7b).

Ignorar as mentes grandiosas e piedosas da igreja que têm ruminado sobre Deus por milhares de anos – agora que temos toda sua contribuição por meio de livros e da internet – parece ser um tipo de arrogância e presunção. Essa postura ignora o lembrete bíblico de que existe sabedoria na “multidão de conselheiros” (Pv 11:14).

Ela também se esquece de outra observação bíblica de que aprender de outras mentes piedosas e comparar nossos pensamentos com elas é como o “ferro que afia ferro” (Pv 27:17), tornando nosso pensamento a respeito de Deus mais nítido e mais claro. O resultado será um conhecimento mais profundo de Deus, o qual Jesus disse que é “vida eterna” (Jo 17:3).

Trevin Wax: Por que você escolheu esses teólogos em particular?

Gerald McDermott: Geralmente, esses são os onze que considero que tiveram maior influência na história do pensamento cristão.

– O modo de ler de Orígenes moldou a interpretação da Bíblia nos 1500 anos seguintes.

– Atanásio salvou a igreja de se degenerar em uma pequena seita da filosofia grega.

– Agostinho foi provavelmente o teólogo mais influente de todos – seja do ocidente como do oriente – ensinando-nos, por exemplo, o significado da graça.

– Tomás de Aquino foi declarado pela Igreja Católica seu principal doutor (mestre). Ele nos mostrou como a fé se relaciona com a razão e qual é o sentido de “sacramento”.

– Os esforços de Lutero para reformar a Igreja Católica foi o principal estímulo para o surgimento do Protestantismo.

– Calvino foi o primeiro e maior mestre da segunda maior tradição Protestante, o movimento Reformado.

– Edwards foi o maior pensador religioso a agraciar o continente americano e também o principal pensador cristão sobre a questão de como Deus se relaciona com a beleza.

– Friedrich Schleiermacher foi o pai da teologia liberal.

– John Henry Newman foi o grande reformador da Igreja da Inglaterra que de modo célebre se tornou católico e nos mostrou como a doutrina se desenvolve através do tempo.

– Karl Barth foi o mais influente de todos os teólogos do século 20.

– Von Balthasar, um contemporâneo de Barth, está rapidamente se tornando o mais importante teólogo católico para este novo século.

Trevin Wax: Estou curioso sobre o raciocínio por trás de algumas de suas escolhas, especialmente John Henry Newman e Hans Urs von Balthasar, uma vez que eu provavelmente teria indicado escolhido Basílio, o Grande ou Irineu.

Gerald McDermott:
Basílio e Irineu são grandes mentes e tiveram enorme influência sobre nosso pensamento. Mas, como digo na introdução do livro, quis manter a lista a mais ou menos dez teólogos e me limitar àqueles com maior influência.

Balthasar é uma estrela em ascensão na teologia católica e está se tornando o teólogo mais influente entres os pensadores católicos do século 20. Newman é meu personagem favorito, não apenas porque foi anglicano (como eu também sou), mas também por conta de sua jornada do evangelicalismo à Alta Igreja. Também acho que nunca paro de aprender com ele, diferente de tantos outros que parecem repetir o que já foi dito.

Trevin Wax:
Como aprendemos com os pontos fortes de cada um desses teólogos enquanto evitamos seus pontos fracos?

Gerald McDermott: Lendo mais do que um ou dois teólogos. Esta é a glória da Grande Tradição. Ao lê-la através dos séculos, não nos limitando a um ou dois pensadores ou a um ou dois períodos (tais como os dias atuais e a Reforma), nosso conhecimento e sabedoria se tornam mais equilibrados. Vemos as fraquezas de um período comparando com outros períodos.

Trevin Wax: Dos onze que você escolheu, qual é o seu favorito?

Gerald McDermott: Edwards.

Trevin Wax: Por quê?

Gerald McDermott:
Eu passei a maior parte de minha vida acadêmica lendo e escrevendo a respeito dele (estou escrevendo meu quinto livro dedicado ao seu conjunto de obras). Ele combinou a vontade do intelecto com a paixão por Deus melhor do que qualquer outro na América.

Trevin Wax: Uma mensagem que surge de modo muito clara ao longo do seu livro é que a teologia possui consequências, tanto positivas quanto negativas. Cada um desses grandes teólogos teve suas fraquezas. Quais são algumas das infelizes consequências de suas fraquezas?

Gerald McDermott: Bem, começarei com Edwards, que se opôs ao comércio de escravos mesmo tendo escravos. Ele nos lembra que nenhum teólogo está inteiramente certo. Enquanto seu próprio filho e seu principal discípulo (Samuel Hopkins) eram líderes no movimento abolicionista, ele mesmo não conseguia estar completamente convencido quanto a isso.

Também houve grandes influenciadores negativos, tal como Schleiermacher. Eu incluo o pai da teologia liberal porque cristãos ortodoxos precisam aprender sobre o que se deve estar alerta. Ele é um exemplo de como não fazer teologia.

Trevin Wax:
Como podemos ser bons teólogos?

Gerald McDermott: Mergulhando na Grande Tradição. Precisamos ser humildes e aprender das grandes mentes e corações que têm gastado milhares de anos (coletivamente) meditando na Palavra de Deus, ouvir a voz de Deus e aprender uns com os outros. Se orgulhosamente pensarmos que podemos fazê-lo por conta própria ou simplesmente com os mais recentes livros dos escritores contemporâneos, inevitavelmente iremos nos perder.

Traduzido por Tiago Silva e revisado por Jonathan Silveira.

Fonte: The Gospel Coalition

2 COMENTÁRIOS

  1. Muito interessante.Concordo que devemos aprender com as grandes Teólogos do passado, mas, vejo que muitos da nossa ‚poca atual podem sim, contribuir para nossa teologia.

Deixe uma resposta para EUVANDRO FREITAS DE MELO MELO Cancel reply

Please enter your comment!
Please enter your name here