O despertar da teoria woke em universidades evangélicas

0
1106

Pais de áreas que votaram no [presidente Joe] Biden, como o Condado de Westchester (NY), Condado de Maricopa (AZ), e o norte da Virgínia, têm protestado contra o ensino de teorias críticas da raça em suas escolas públicas. Eles apontam que divide os estudantes por raça e impõe que a cor da pele denote culpa ou inocência.

Pais cristãos frequentemente assumem que instituições evangélicas são livres de tais ideologias seculares. Mas desenvolvimentos recentes em três importantes escolas evangélicas sugerem que é necessário examinar o cenário com mais cuidado.

Wheaton College, alma mater de Billy Graham, em Illinois, é famosa como um centro de ensino evangélico. Mas Wheaton recentemente adotou estratégias prejudiciais na sua abordagem às questões raciais. De acordo com um professor universitário que me escreveu anonimamente, somente alguns professores da Wheaton são wokes, mas muitos críticos da agenda deles estão “hesitantes” em falar. As crenças do Escritório de Desenvolvimento Multicultural da Wheaton, liderado por um oficial de engajamento intercultural em nível governamental, estiveram em exibição em abril passado na primeira “Cerimônia de Reconhecimento de Minorias Racializadas” de Wheaton. Sheila Caldwell, diretora de diversidade de Wheaton até poucas semanas antes do evento, foi a oradora principal. Caldwell reclamou que ela havia sido “aprisionada por um sistema de castas racializado… e esperava-se que fosse respeitosa com o patriarcado” ao seu redor. Ela insinuou que Wheaton também era parte desse sistema racializado. Ela acrescentou que Larycia Hawkins (a professora de ciência política que Wheaton demitiu por se recusar a defender a declaração de fé do colégio na singularidade da salvação de Cristo) foi “pressionada a permanecer em sua posição no sistema de castas americano.”

Em uma universidade evangélica, a abordagem para todos os problemas — incluindo raça — deveria ser pautada no evangelho. Mesmo assim, a mensagem de Caldwell não era a beleza da salvação pelo Deus trinitário, mas a necessidade das pessoas de cor exercerem poder em uma sociedade racista. Em uma carta para os estudantes, corpo docente e colaboradores, o presidente da Universidade Baylor recomendou um recurso sobre raça que encoraja leitores a avaliar seus pensamentos e sentimentos usando as “características da cultura de supremacia branca” de Tema Okun — características que inclui individualismo, objetivismo, pensamento linear e lógica.

Um professor em Baylor me disse que está “enfurecido” que a universidade não tenha usado esse debate nacional sobre raça para mostrar como a fé cristã pode transformar a discussão. “[Baylor deveria mostrar] à igreja e ao mundo o que significa dizer que todos os seres humanos são feitos à imagem de Deus e têm dignidade intrínseca, e que raça ou origem nacional não deve ter influência nessas verdades. No entanto, [Baylor] imita o mundo secular, embora com um leve toque de versículos bíblicos e menos arengas sobre privilégio e ‘brancura’.”

Claro, nem todos os funcionários e professores de Baylor se tornaram wokes. Alguns têm trabalhado por trás das cortinas para alertar a administração dos perigos de adotar dogmas seculares. Mas alguns na universidade continuam a ensinar os mesmos axiomas acordados encontrados na maioria das universidades seculares hoje — que a América é sistemicamente racista por causa do privilégio branco contínuo e que os alunos brancos precisam se arrepender do racismo de seus ancestrais porque é deles próprios. O Escritório de Igualdade e Inclusão de Baylor promoveu essas mensagens em orientação aos alunos, programas de Vida do Estudante, algumas programações na capela e em algumas salas de aula. Raramente, entretanto, esses ensinamentos são submetidos à crítica acadêmica pública.

O movimento woke na Wheaton e Baylor permanece do lado de fora da maioria das salas de aula, e é habitualmente limitada ao alcance dos inquisidores dos escritórios de inclusão e diversidade. Mas a Universidade Samford, em Birmingham no Alabama, promete espalhar isso para todas as classes de aula pelo campus. A universidade recentemente publicou um “Relatório da Força-Tarefa sobre Justiça Racial” que recomenda que as aulas sobre antirracismo sejam inseridas tanto no currículo básico quanto nos cursos disciplinares da universidade. Isso significa que as aulas de matemática, ciências e música devem retirar algo de seu conteúdo para abrir espaço para palestras sobre por que os Estados Unidos são sistematicamente racistas. O homem comissionado a supervisionar as mudanças curriculares retweetou mensagens que “algumas pessoas brancas teriam que morrer” para que linchamentos parassem, que vivemos em uma sociedade supremacista branca, e que a América não é diferente hoje do que era em 1950 e anos 60.

O Relatório Samford, recentemente endossado por seu conselho de curadores, recomenda que seja requerida a cada organização estudantil a participação pelo menos uma vez ao ano em um evento sobre raça “para permanecer em boas relações com a universidade.” Pais podem ponderar porque matemática e clube de xadrez devem falar de raça para poderem sobreviver.

Estudantes, docentes e funcionários em Samford são requeridos a se submeter a um treinamento com “viés implícito”, que psicólogos criticaram por descobertas instáveis ​​que são inúteis como preditores de viés real. Um professor de Samford que passou pelo treinamento concluiu recentemente que ele tem seu próprio preconceito — que os homens brancos sempre são preconceituosos e devem ceder às mulheres e pessoas de cor. O treinador de seu grupo alertou que as expectativas de “competência e excelência” devem ser postas de lado.

Por que universidades evangélicas estão adotando estratégias seculares para resolver um problema espiritual? Como um professor colocou, administradores são “avessos ao risco” e esperam que isso irá salvá-los de ser chamados de racistas. Mas e se a solução antirracista deles ao racismo for racista? E se, em suas tentativas de evitar o criticismo, universidades evangélicas abraçarem um evangelho secular que não tem nada a ver com a verdadeira diversidade do reino?

Publicado originalmente como “Woke Theory at Evangelical Colleges”, em First Things, em 19 de outubro de 2021. Traduzido por Beatriz Silva Ferreira com autorização.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here