Brincando de Deus – Parte 3

0
136
éltima parte da pensata sobre as discussões éticas e teológicas gerada pela tecnologia da engenharia genética

Este é um lado da questão, o outro é o da extensão da liberdade humana. A liberdade deve ser responsável. Afinal, segundo a teologia bíblica,  fomos criados como seres responsáveis (Gn 2.16,17), então precisamos assumir responsabilidade pela nossa herança genética. Neste sentido Haering (1977, p. 187, 188) afirma que “conscientizar e educar para uma aproximação ética da responsabilidade participada pressupõe, além do pleno conhecimento de nossa liberdade, o conhecimento fundamental do interfuncionamento entre o gene e herança cultural, ou, por outros termos, entre nossa constituição genética e o poder constituinte do ambiente, na organização da descoberta das possibilidades e da responsabilidade correspondente de constituir nosso ambiente.”

Seria plenamente desejável que, antes do matrimônio, os jovens soubessem quais os riscos genéticos envolvidos na associação matrimonial. Se houver riscos conhecidos e o casal, mesmo assim, desejar se unir, uma alternativa sensata seria evitar filhos, buscando-os através da adoção. Quando for possível científica e economicamente, seria desejável e prudente o teste genético pré-matrimonial. Do ponto de vista da liberdade não é possível aceitar a adoção de medidas proibidoras de uma união. A opção é para uma ação conscientizada e responsável.

Além disso, como controlar o que acontece nos laboratórios ultra-especializados de genética? O que fazer com os aprendizes nos laboratórios? Será que eles iniciarão algum experimento sem saber como controlá-lo? Será que estão sendo criados micróbios, vírus que não poderão ser vencidos por medicamentos conhecidos? Só o futuro poderá dizer. O que será que nos espera?

Outras questões existem e existirão a respeito do assunto, inclusive teológicas e filosóficas, tais como:

– o ser clonado terá uma identidade pessoal e será consciente dessa sua identidade?
– como será a constituição afetiva, psicológica e mental de um clone?
– um clone terá direito? ou será propriedade de alguém?
– se algum ser humano for clonado, poderá ser considerado um ser humano completo? Um ser desse tipo terá também vida espiritual?
– um clone será um ser ético e responsável?
– enfim, um clone poderá pecar? ao ser criado já terá natureza pecaminosa, segundo a Teologia?

Estas últimas questões são tão complexas que talvez somente consigam ser respondidas se e quando ocorrer a clonagem humana. A especulação sobre se um ser humano clonado terá ou não vida espiritual também depende de nossa posição sobre a origem da alma ou vida espiritual. Há quem acredite que a alma de uma pessoa já existe desde a criação do mundo, antes mesmo dela nascer. É a posição pré-existencialista (Platão). Mas também outros acreditam que cada alma é criada por Deus para cada pessoa ex nihilo , isto é, Deus cria uma alma para cada corpo que é gerado. Os que assim acreditam são chamados de criacionistas (Jerônimo, Pelágio, Calvino). Há também os que acreditam que a alma é originada por propagação natural e que esta transmissão é um processo orgânico de modo que adquirimos nossa alma ao mesmo tempo, e da mesma maneira, como adquirimos nossos corpos. 4 É a posição traducianista 5 (Tertuliano, Lutero). Se você é pré-existencialista, talvez não acreditará que o ser clonado possa ter vida espiritual. Para os criacionistas e para os traducianistas poderá haver a possibilidade do ser clonado ter uma vida espiritual.

Como o leitor pode observar, as alternativas para a discussão do assunto são vastas, basta conhecimento e criatividade. Muitas respostas somente poderão ser encontradas no futuro. Por enquanto é preciso acompanhar o desenvolvimento do assunto e exigir cautela responsável dos cientistas.

Se considerarmos a concepção bíblico-teológica de que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo (1 Coríntios 6.19,20), precisamos cuidar dele bem, procurando descobrir as suas anomalias e buscar a sua cura. O labor em melhorar a natureza humana é, em princípio, legítimo se for responsável. Mas não nos esqueçamos de que a sociedade sofre muito mais por causa de suas anomalias morais e espirituais do que por causa das enfermidades genéticas. Desta forma, de nada adianta melhorar a nossa herança genética sem melhorias ambientais, sociais, econômicas e espirituais da sociedade.

Bibliografia :
BARCHIFONTAINE, Christian de Paul de & PESSINI, Leo (organizadores). (2001) Bioética – alguns desafios . São Paulo: Loyola & Centro Universitário São Camilo. pgs. 203-260.
DAVIES, Kevin. (2001) Decifrando o genoma – a corrida para desvendar o DNA humano . São Paulo, Cia. das Letras.
FERNANDEZ, Javier Gafo. (1978) Nuevas perspectivas en la moral médica . Madri: Ibérico Europea. pgs. 207-217.
FLETCHER, Joseph. (1978) Ética del control genético . Buenos Aires: La Aurora.
GOODFIELD, June. ( 1981) Brincando de Deus – a Engenharia Genética a manipulação da vida . Belo Horizonte & São Paulo: Itatiaia & Universidade de São Paulo.
HAERING, Bernhard. (1977) Medicina e manipulação – o problema moral a manipulação clínica, comportamental e genética . São Paulo: Paulinas. pgs. 181-230.
JONES, D. Gareth. (1987) Manufacturing humans – the challenge of the new reproductive technologies . Leicester, Inglaterra: Inter-Varsity.
LOLAS, Fernando. (2001) Bioética – o que é e como se faz . São Paulo: Loyola.
MEDINA, John. (1991) The outer limits of life . Nashville: Oliver Nelson.
PESSINI, Leocir & BARCHIFONTAINE, Christian de Paul de. ( 1991 ) Problemas atuais de bioética . São Paulo: Loyola. pgs. 143-164.
RAMSEY, Paul. (1972) “La ética del control genético – clonaremos al hombre?” in MEAD, Margaret et alli . El derecho a vivir – medicina moderna y futuro humano . Buenos Aires: La Aurora. pgs. 113-159.
RAMSEY, Paul. (1973) El hombre fabricado . Madri: Guadarrama.
SPINSANTI, Sandro. (1990) Ética biomédica . São Paulo: Paulina. pgs. 47-54.
SGRECCIA, Elio. (1996) Manual de Bioética . São Paulo: Loyola. pgs. 213-291, 399-466
SILVER, Lee M. (2001) De volta ao Éden – Engenharia Genética, clonagem e o futuro das famílias . São Paulo: Mercuryo.
TEIXEIRA, Mônica. (2000) O projeto Genoma Humano . São Paulo: Folha de São Paulo.

Notas
3 É preferível esta expressão em vez de “controle da natalidade.”
4 Embora o Generacionismo reivindica que a alma também se origina por propagação natural, é distinta do Traducianismo, pois defende que esta transmissão é um processo espiritual e que adquirimos nossa alma ao mesmo tempo, mas NÃO da mesma maneira, como adquirimos nossos corpos.
5 Traducianismo talvez venha de uma referência feita por Pelágio através do latim Traduciani (d e tradux , broto de uma planta).

FAÇA UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here