Disciplina na igreja: como a igreja protege o nome de Jesus

0
954

“Deus nos disciplina para o nosso bem, para que participemos da sua santidade” (Hb 12.10, NIV). Ele sabe que a disciplina produz vida, crescimento e saúde.

Sim, é doloroso, mas há recompensa: “Nenhuma disciplina parece no momento motivo de alegria, mas de tristeza. Depois, porém, produz um fruto de justiça e paz naqueles que por ela foram exercitados” (Hb 12.11, NIV).

Disciplina não é um termo que a cultura compreenda, e o movimento do amor em direção à disciplina certamente não é algo que a cultura assimile. Mas isso é o que a Bíblia ensina.

De modo mais concreto, as igrejas devem praticar a disciplina porque ela é bíblica; é uma implicação do evangelho;  promove a saúde da igreja;  ilumina e aperfeiçoa o testemunho da igreja perante as nações;  alerta os pecadores sobre um julgamento ainda maior que está por vir;  (o mais importante) protege o nome e a reputação de Jesus Cristo na terra.

Jesus vinculou seu nome à igreja. Ele apostou sua reputação em nós. Ele provou por meio da vida do Israel do Antigo Testamento que fará o que for preciso para proteger seu nome. Ainda assim, ele entrega às igrejas uma função: cuidar de seu nome e de sua reputação perante as nações.

O principal objetivo de Jonathan Leeman no livro Disciplina na Igreja não é persuadi-lo sobre a disciplina; é ajudar os já persuadidos a entender como e quando aplicá-la.

O autor espera que o modelo geral exposto nesta obra seja persuasivo e que aponte para uma imagem do povo de Jesus aprendendo a ser como ele, precisamente para que as nações se maravilhem.

Em breve você poderá adquirir mais esse título da série 9Marcas. Aguarde mais informações!

FAÇA UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here