Os desigrejados

24
57083

1 – Introdução

Ultimamente tem se ouvido falar muito no âmbito eclesiástico sobre os “desigrejados”, que segundo definições teológicas, são pessoas que por descontentamento com a liderança local de sua congregação e com a estrutura rígida das igrejas onde frequentavam, resolveram rejeitar a prática litúrgica do culto, abandonar o templo e consequentemente a comunhão com os irmãos da fé, tornam-se em evangélicos nominais, isto é, sem vínculo eclesiástico. Idauro Campos, em seu livro Desigrejados – teorias, história e contradições do niilismo eclesiástico, descreve os principais motivos que levaram evangélicos a saírem de suas igrejas e muitas vezes largar a própria fé. Dr. Augusto Nicodemus Lopes prefaciou o livro, onde constatou:

As razões básicas para as críticas passam pela decepção com promessas feitas em nome de Deus e que nunca se cumpriram, além das práticas e ensinos questionáveis ministrados em ambientes eclesiásticos e a repulsa com os maus exemplos das lideranças (pastores, bispos e apóstolos), resultando na deserção de milhões de cristãos protestantes que engrossam a fileira dos descontentes com a igreja. Nicodemus (2005 apud ROMEIRO 2005)

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2010 foi feito uma pesquisa para avaliar a performance da Religiosidade no Brasil.  Segundo a publicação, o grupo que mais cresceu foi os que se declararam “sem religião”. Sendo assim, dos 40 milhões de evangélicos do Brasil, 10%, ou seja, 4 milhões, se auto intitulam como desigrejados. Percebe-se aqui algo inédito, pois se antes só ouvíamos falar de cristãos católicos não praticantes, hoje, também estamos ouvindo: sou evangélico não praticante! Realmente é novidade para o mundo gospel.

Segundo CAMPOS (2014), os desigrejados não aceitam qualquer forma de igreja organizada e institucionalizada, uma vez que, segundo seus conceitos, Jesus também não organizou e nem construiu templos. Para eles a igreja verdadeira não tem templos, cultos regulares aos domingos, tesouraria, hierarquia, ofícios, ofertas, dízimos, clero oficial, confissões de fé, rol de membros, propriedades, escolas, seminários. Em seus relatos descrevem que um dos piores erros é a ineficiência da liderança eclesiástica, haja vista que a organização humana tem falhado e caído em muitos erros, pecados e escândalos, e prestado um desserviço ao Evangelho, chegando ao ponto de afirmarem: “Precisamos sair dela para podermos encontrar a Deus”. Paulo Romeiro, em seu livro Decepcionados com a Graça, inclusive, propõe uma sequência: primeiro “ocorrem o deslumbramento, a expectativa e a entrega pessoal pela causa e a confiança despreocupada na proposta do grupo”, mas, conforme declara, “com o tempo, porém, vêm os questionamentos relativos à linha de pregação, à administração financeira ou às questões éticas, provocando o rompimento”. (ROMEIRO, 2005, p. 42).

Quando analisamos os verdadeiros motivos pelos quais os desigrejados se privam da comunhão fraternal com o Corpo de Cristo, algumas reflexões necessitam serem feitas dentro de nós enquanto líderes, enquanto pastores, enquanto discipuladores, enfim, precisamos rever os nossos conceitos de Sal e Luz deste mundo (Mt 5:13-16), o conceito de embaixadores de Cristo em uma terra que não é nossa (2 Co 5:20), precisamos realizar uma práxis da nossa conduta cristã e ética, pois percebemos claramente, que ao invés de convergir os corações das pessoas à Deus, estamos expelindo-as e as privando da convivência com o verdadeiro Corpo de Cristo.

Não pretendo aqui tomar toda a responsabilidade da desgraça alheia, apenas assumir a nossa parcela de culpa. Não tem como não trazer para si, resguardada as devidas proporções, a responsabilidade deste niilismo religioso. A práxis é necessária neste contexto. O que temos feito de errado, ou no mínimo deixado de fazer para que 4 milhões de brasileiros tenham se desiludido com a caminhada cristã. A incoerência na conduta é exatamente esta: não são 4 milhões de pessoas que ainda não foram alcançadas. São 4 milhões de pessoas que foram alcançadas mas que escaparam, escorregaram entre os dedos da imensa mão institucional. São alguns membros do Corpo de Cristo que estão por aí espalhados, desmembrados, solitários, tentando se reerguer sozinhos, tentando sobreviver sem o resto do corpo. Não obstante, segundo as Escrituras, sabemos que isso é impossível, logo esta classe de pessoas irá perecer, morrer espiritualmente, apodrecerão numa sociedade que se diz cristã.

Permaneçam em mim, e eu permanecerei em vocês. Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo se não permanecer na videira. Vocês também não podem dar fruto se não permanecerem em mim. Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma. Se alguém não permanecer em mim, será como o ramo que é jogado fora e seca. Tais ramos são apanhados, lançados ao fogo e queimados. (Jo 15:4-6)

Elas precisam voltar, precisam novamente serem impactadas pelo grande amor de Cristo, e também pelo grande amor da igreja para com o próximo. Nós precisamos buscá-las. Sobre seu retorno, a jornalista Marília de Camargo Cézar, citou em seu livro Feridos em Nome de Deus, um livro que ao mesmo tempo, denuncia, alerta e apela:

Como poderiam, então, retornar para um ambiente que, ao invés de ser uma comunidade terapêutica por excelência, foi, na prática, causadora de dor, frustração e mágoa? Não seria, destarte, necessária uma prática pastoral carregada de amor, perdão, paciência e graça para com os que se encontram em tal situação? (CÉZAR 2009)

Marília, quis através do seu livro, denunciar o que realmente acontece nos bastidores de muitas igrejas. Como que lideres usam as pessoas como massa de manobra, com o único intuito de se promoverem e enriquecerem, não dando a devida importância para as necessidades espirituais, emocionais e físicas dos seus rebanhos. Também foi intuito seu alertar para que outras pessoas não caiam no mesmo emaranhado de mentiras gospel. Mas o intuito mais sublime desta riquíssima obra era levar os pastores a refletirem sobre suas práticas pastorais, os quais percebe-se que ao iniciarem suas carreiras de fé, tem em mente as melhores aspirações de serviço e vocação, ansiosos para honrarem e glorificarem à Deus com seus talentos e dons; mas com o passar do tempo, deixam de corresponderem aos seus chamados, e passam a agir mais visando o financeiro eclesiástico e agindo como empresários da fé. O outro objetivo tão superior quanto o anterior, é um apelo para aqueles que estão nas igrejas a olharem com misericórdia e amor para muitos daqueles que desertaram e que estão longe de serem apenas pessoas “complicadas” ou “esquisitas”.

A partir da reflexão das causas e das consequências da incoerência na prática da conduta ética-cristã nas lideranças eclesiásticas, cabe a nós pensarmos quais atitudes teremos de ter para que se evite o desigrejamento.

2 – Atitudes pautadas na coerência da conduta ética-cristã:

2.1 – Dá a devida atenção e respeito aos membros de forma individual

Muitas vezes o ativismo faz com que as necessidades, carências emocionais e espirituais dos membros não sejam observados e valorizados a ponto de terem prioridade no tratamento e atenção. Sabe-se que o objetivo primário da igreja, é a glorificação de Deus, mas a igreja também deve ministrar aos seus membros, em suas carências de relacionamento, emocionais e espirituais. Um outro aspecto muito importante diz respeito a oportunidade que os membros, deveriam ter na igreja, afim de desenvolver suas habilidades e dons dados pelo Senhor, e que muitas vezes não ocorre. Muitos membros estão perecendo espiritualmente por falta de oportunidade para servirem à Deus com seus talentos.

Aqui, dois erros extremos podem ocorrer, um de falta e outro de excesso. Existem membros que se frustram porque raramente têm espaço para fazer alguma coisa, para dar a sua contribuição. (…) Todavia, também existe o perigo oposto, que é sobrecarregar as pessoas com atividades, deixando-as exaustas e sem tempo para outros interesses, sejam eles familiares ou comunitários.” (MATOS, 2014, p.30)

Segundo Matos, os dirigentes precisam ser sensíveis e receptivos em relação às reivindicações e solicitações legítimas de seus fiéis, evitando assim uma evasão desnecessária. Para isso, é preciso ouvi-los com frequência, exercer o diálogo constante e, assim, realizar as correções nas normas e práticas que se façam necessárias, tendo em vista o bem-estar e a continuidade da participação dos membros.

2.2 Preparar os novos convertidos através do Discipulado  

Na maioria das igrejas se verifica um grande paradoxo. Essas igrejas fazem investimento na área da evangelização, de trazer novas famílias e pessoas para Cristo. A liderança ensina e prega a respeito deste assunto, oferecendo cursos, utilizando publicações e estimulantes sobre o assunto, incentivando a levar as boas novas com estratégia pessoal e em grupos. Enfim, faz-se um esforço para alcançar as pessoas. Assim, logo que essas pessoas se convertem e estão na igreja, elas são quase que esquecidas e caem na rotina da vida da igreja.

Como já estão dentro, se entende que não precisam de tanta atenção assim. É assim que muitos novos convertidos passado algum tempo se decepcionam, perdendo o entusiasmo e abandonando a eclesia. Isso mostra a necessidade de complementar a estratégia de evangelismo, que é o discipulado dos novos convertidos.

A igreja precisa criar mecanismos pelos quais aqueles que ingressaram na comunidade possam receber um acompanhamento adequado nos primeiros meses e anos de sua vida cristã.

Vale lembrar que o intuito do verdadeiro discipulado, é fazer discípulos de Jesus, pessoas que se espelham em Cristo e ao mesmo tempo refletem a Sua glória. Sendo assim, o discipulado tem que ser transmitido por ministro autêntico e firmado na Palavra de Deus, o qual honra o Senhorio e a Soberania de Cristo em sua vida.

Além disso, a pedagogia do discipulado tem que trazer disciplinas que realmente frisam e evidenciam a importância do “nascer de novo”, do arrependimento, do fruto do Espírito, da mordomia cristã, dentre outros, e ainda precisa descortinar para o novo convertido o plano geral de salvação providenciado por Deus através de Seu Filho Jesus Cristo para ele como para toda a humanidade, levando-o a aspirar por missões e vidas perdidas.

2.3 Viver o verdadeiro pastoreio

Precisamos lembrar que não somente os novos convertidos, mas também os que já caminham com a igreja há um tempo, precisam de cuidado, zelo e pastoreio com amor. Paulo exorta aos líderes da igreja de Éfeso a respeito:

Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constitui bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue” (At 20.28).

Parece que os administradores da igreja em Éfeso tinham dificuldades no pastoreio, embora muito preocupados com a doutrina, pois Paulo, que os advertira sobre a necessidade dos cuidados pastorais em Atos 20, também os advertira sobre a necessidade de pastorear com amor, conforme o capítulo 4, verso 15 “seguindo a verdade em amor”. Provavelmente, tal como parece acontecer em nossos dias, os bispos de Éfeso não deram muita importância à exortação Paulina, pois ao final do I séc., em outra carta enviada ao anjo da igreja em Éfeso, agora escrita pelo apóstolo do amor, João, conforme Apocalipse 2, o Senhor ressalta o trabalho incansável desses pastores, seu zelo pela Escritura e assim desmascarando os falsos apóstolos. Porém o principal ficou esquecido, aquilo que a tornaria uma comunidade aprovada por excelência, deixaram de lado e não aprenderam a lição mais importante ensinada pelo apóstolo Paulo: “o amor”: “Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor”. Apocalipse 2:4.

A repentina ausência de pessoas e famílias nos cultos é um caso clássico. Muitas vezes indica um sinal de alguma dificuldade enfrentada por aquela família e deve haver uma intervenção rápida por Pastores e líderes. As não é preciso acontecer algo para que a pessoa seja atendida, ou simplesmente ouvida e visitada. O verdadeiro pastoreio, antecede aos problemas vividos pela suas ovelhas.

Conforme o livro O Protestantismo Brasileiro, da autora  Émile Leonard, é conhecido o exemplo do notável pastor puritano Richard Baxter (1615-1691). No fiel desempenho do seu encargo, esse ministro procurava se encontrar uma vez por ano com cada uma das 800 famílias que compunham a sua congregação na cidade de Kidderminster, a fim de instruí-las e aconselhá-las. Em seu famoso clássico The Reformed Pastor, ele insistiu que os pastores precisam se dedicar à instrução pessoal e particular do rebanho. Segundo ele: “É dever inquestionável dos ministros em geral que se disponham à tarefa de instruir e orientar individualmente a todos aqueles que são entregues ao seu cuidado.” (BAXTER, 2008, p. 27).

A igreja institucional tem como um de seus propósitos atender às necessidades dos seus membros, para que vivam vidas plenas em Cristo, sem se afastar da comunidade da fé, mas estando integrados nela.

Não podemos esquecer, que o pastoreio não deve acontecer somente no âmbito espiritual, mas de forma completa e complexa. O ser humano é composto por espírito, alma e corpo, por isso, não somete seu espírito precisa de cuidado, mas também seu corpo através de atendimento em suas necessidades básicas, tais como alimentação, roupas, sapatos. A alma ou o psique do homem também precisa de zelo, através de curas interiores, auxílio na liberação de perdão, atendimento psicológicos, dentre outras coisas.

Desta forma, concluo, não criticando ou simplesmente “apontando o dedo” para as lideranças eclesiásticas, mas exortando e apelando para uma verdadeira e transparente práxis do seu ministério cristão, deixando prevalecer sempre através da atenção e respeito, do discipulado e do pastoreio, o dom mais sublime que existe: o amor. “(…) Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor”. (1Co 13:1-13).

3 – Referência bibliográfica:

BAXTER, Richard. Manual pastoral do discipulado. São Paulo: Cultura Cristã, 2008.

BRABO, Paulo. Bacia das Almas: Confissões de um Ex-Dependente de Igreja. São Paulo: Mundo Cristão, 2009.

BUREAU DE PESQUISA E ESTATÍSTICA CRISTÃ. Disponível em: www.bepec.com.br. Acesso em: 07 nov 2013.

CAIRNS, E. E. O Cristianismo Através dos Séculos. São Paulo:
Vida Nova, 1995.

CAMPOS, Idauro. Desigrejados – Teoria, história e contradições do niilismo eclesiástico. São Gonçalo: Editora Contextualizar, 2014.

CÉSAR, Marília de Camargo. Feridos em Nome de Deus. São Paulo: Mundo Cristão, 2009.

FERNANDES, Carlos. Desigrejados, fenômeno que Cresce. Cristianismo Hoje. Niterói, edição 37, ano 7, p. 18-25, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 30 set 2013.

LÉONARD, Émile G. O Protestantismo Brasileiro. São Paulo: Aste, 2002.

LOPES, Augustus Nicodemus. Os Desigrejados. São Paulo. Disponível em: http://tempora-mores.blogspot.com.br Acesso em: 14 abr 2011.

MATOS, Alderi. Artigo Científico: “Não deixemos de congregar-nos”: Enfrentando o Problema da Evasão de Membros: FIDES Reformata XIX, n° 1(2014):21-33. Disponível em www.cpaj.mackenzie.br/fidesreformata/arquivos/edicao_35/artigos/249.pdf. Acesso em 30/01/2016.

NICODEMUS, Augusto. Prefácio. In: CAMPOS, Idauro. Desigrejados- Teoria, história e contradições do Niilismo Eclesiástico. São Gonçalo: Editora Contextualizar, 2014.

ROMEIRO, Paulo. Decepcionados Com a Graça: Esperanças e Frustrações no Brasil Neopentecostal.São Paulo: Mundo Cristão, 2005.

24 COMENTÁRIOS

  1. Graça e paz.
    Administro um Projeto Missionário chamado “Procurando os Perdidos” e publicamos mensalmente um Informativo e uma Revista. O Tema escolhido para o Informativo do mês de abril foi sobre os “desigrejados”. Gostaria de saber se posso utilizar esse texto com as fontes, evidentemente, no próximo Informativo.
    Grato.

  2. OS “DESIGREJADOS”!!!

    JOÃO BATISTA FOI O PRIMEIRO, POIS NUNCA FOI AO TEMPLO.

    O SEGUNDO FOI JESUS POIS IA AO TEMPLO MAS SEMPRE PREGOU FORA DO TEMPLO. (SEM FALAR QUE A LIDERANÇA NÃO GOSTAVA DELE).

    DEPOIS ELE CHAMOU MAIS 12 APÓSTOLOS QUE FREQUENTAVAM O TEMPLO E DEIXARAM DE FREQUENTAR E PASSARAM A SEGUIR SOMENTE A JESUS. REF. (Mateus 10. 1-42).

    DEPOIS TEVE MAIS 70 DISCÍPULOS QUE TAMBÉM FREQUENTAVAM O TEMPLO E DEIXARAM DE FREQUENTAR. REF. (Lucas 10. 1-24).

    DEPOIS TEMOS MAIS QUASE 120 “DESIGREJADOS” QUE TAMBÉM FREQUENTAVAM O TEMPLO E DEIXARAM DE FREQUENTAR. REF. (ATOS 1. 14, 15).

    DEPOIS TEMOS MAIS 3.000 PESSOAS QUE FREQUENTAVAM O TEMPLO E DEPOIS DE TEREM OUVIDO PEDRO PREGANDO SE CONVERTERAM E DEIXARAM DE FREQUENTAR O TEMPLO.

    REF. (ATOS 2. 4).

    DEPOIS TEMOS PEDRO PREGANDO NOVAMENTE E QUASE 5.000 ALMAS SE CONVERTERAM E DEIXARAM DE FREQUENTAR O TEMPLO. (ATOS 4. 1-4).

    E POR ULTIMO O APÓSTOLO PAULO UM DOS MAIORES “DESIGREJADOS” DA HISTORIA.

    TOTAL DE “DESIGREJADOS”, QUASE 8.205

    SABE PORQUE ELES SE CONVERTERAM E NÃO FORAM MAIS AO TEMPLO?

    • Caro Valdir, no contexto geral, vc está esquecendo que o Templo o qual vc faz referencia em seus comentários, o próprio Jesus vaticinou que ele seria derribado, e Nele, Jesus, edificaria a Sua Igreja.. realmente a igreja primitiva não tinha locais específicos para reunirem-se, porém eles eram unanimes em reunir-se em casas, salões, dentro de cavernas, ou outros lugares onde podiam reunir e ali prestarem o seus cultos, em adoração, louvor (Salmos) e ao ensino da Palavra. Ou seja a Igreja de Cristo que é Universal, até que se cumpra o tempo da Graça, não é possível reunir-se em um local específico, porém cada lugar específico, seja salão, templos aos quais denominamos Igreja, de fato representa a Igreja Universal, composta de pessoas que foram transformada pelo Novo Nascimento. Assim sendo, as pessoas que não se congregam (reunidos) em locais específicos, os quais denominamos igreja local, por motivos diversos assim o não fazem; estão perdendo a oportunidade de fazerem a vontade de Cristo, de que a sua igreja estabelecida nas variadas regiões da Terra, a represente reunindo-se localmente, enaltecendo que todos os salvos como membros do Corpo de Cristo, estão unidos a ele.
      Para esse ensino o Apostolo Paulo, que não foi um desigrejado, mas esforçou-se em cumprir o seu ministério de agregar pessoas ao Corpo Universal de Cristo, como um missionário por excelência, estabeleceu muitas igrejas locais, iniciando não No TEMPLO EM JERUSALÉM, mas nas sinagogas onde os judeus se reuniam em qualquer local comunidade, cidade etc. onde houvesse mais de 10 judeus, e em nome de Jesus, muitas igrejas foram estabelecidas e o evangelho se espalhou e o Senhor acrescentou a cada dia pessoas à sua Igreja. Hoje estamos vendo ao contrário, pessoas fazendo o inverso, não considerando os açoites, os martírios, as perseguições e outros sofrimentos pelos quais homens que vieram um cristianismo genuíno, foram obedientes ao ide de Jesus, Ide e Fazei Discípulos, ensinando-os a guardar os meus ensinos.
      Hoje, pelo contrário, vemos os desigrejados, deixando as suas congregações, e em nome deles próprios ou de suas ideologias, incentivarem pessoas não serem cristãos genuínos, no princípio fundamental de estarmos juntos, unidos representando aqui na terra, a figura do que aguardamos estar, reunidos para sempre num só local, em Cristo Jesus.

  3. OS RELIGIOSOS QUE SÃO DESIGREJADOS !!!

    Muitos dizem que os desigrejados são aqueles que abandonam as ditas ” IGREJAS” , eu digo o oposto , os desigrejados são aqueles que ainda estão dentro do sistema Religioso, aqueles que ainda estão em templos de Pedras, se submetendo aos líderes espirituais diversos.

    Ao estudar os Evangelhos, percebemos que a vida de Cristo foi fora dos portões da Religião, foi ao ar livre , não houve sequer alguma ordenança do Messias em construir templos , pelo contrário, Ele disse que onde houver duas ou mais pessoas reunidas no nome Dele , Ele estaria ali , e sabe o que isso significa? Relacionamento com Deus e com o próximo.

    Mateus 22:37 E Cristo disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. 38 Este é o primeiro e grande mandamento. 39 E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

    Percebam que ali , o Messias mostra que amando o próximo estará amando a Deus, pois Deus habita no seu semelhante , de modo que ao fazer ao semelhante , estamos fazendo a Deus.

    Isso é fazer a obra de Deus.

    Mateus 25:45 Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim.

    Eu desafio a qualquer pastor, padre, bispo e etc….. a me provar que dentro de seu templo é praticado o amor ao próximo, que as ofertas e dízimos são revertidas aos fiéis de sua igreja, me provar que dentro de seu templo, os fiéis não passam fome, não passam necessidades, não passam por privações, ou quando algum fiel conta suas necessidades, simplesmente você líder apenas “abençoa” essa pessoa, ora por ela e/ou as vezes pede uma ajuda no culto, mas nunca sai nada dos cofres da “igreja”.

    É óbvio que dentro dos templos é que estão os DESIGREJADOS, pois não adoram ao Pai em Verdade, não praticam o amor ao próximo de verdade, e o principal, não há igualdade entre os irmãos, e dessa forma estão desligados do corpo de Cristo que é espiritual e não material.

    Atos dos Apóstolos 2:45 E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister.

    Os Verdadeiros Adoradores são aqueles que saíram do sistema Religioso e hoje adoram o Pai em Espírito e em Verdade, onde o culto é sua vida.

    • MUITO BOM, DE FATO UMA VIDA CRISTÃ NÃO SE BASEIA SUSTENTAR UM SISTEMA RELIGIOSO MAS SIM UMA VIDA QUE ESTEJA VOLTADA PARA OS VALORES CRISTÃOS NA PRÁTICA DIARIA DA VIDA CONTIDIANA, E NÃO APENAS NO ESTABELECIMENTO ESCLESIASTICO. QUANDO COLOCAMOS NOSSAS VIDAS NO TEMPLO E ESQUECEMOS DO MUNDO DA VIDA ESTAMOS DIZENDO QUE CRISTO FEZ FOI TUDO ERRADO E DAI VOCÊ PERCEBE QUE QUEM ESTÁ ERRADO É QUEM USA A DENOMINAÇÃO PARA MANTER UM GRUPO PRESO A SEUS PRÓPRIOS INTERESSES, ONDE MUITOS DELES SÃO APENAS CRENTES NOMINAIS SE SENTEM DONOS DO CÉU SÓ POR QUE FREQUENTAM E NEM AO MENOS POSSUEM CARACTÉRITICAS MORAIS QUE O DENOTAM DE FATO CRISTÃOS, COBRAR DAS DENOMINAÇÕES É FUNDAMENTAL, ESTE FENOMENO É UM RECADO PARA TODOS OS LÍDERES EVANGELICOS E OUTROS QUE PENSAM QUE TEM O PODER SOBRE A MENTE HUMANA. ACREDITO QUE ESTE MOVIMENTO NÃO TERÁ FIM APARTI DESTE SÉCULO POIS ESTE MOVIMENTO SEMPRE EXISTIU SÓ HOJE NA SOCIEDADE CAPITALISTA É SENTIDA, POIS FAZ FALTA NOS COFRES DAS DENOMINAÇÕES NADA CRISTÃ, POIS TEM COMO MISSÃO AGORA RESGATAR OS QUE SE PERTERAM DENOTANDO QUE SÃO ELES OS DONOS DAS ALMAS DELAS COMO SE ELES FOSSEM OS DONOS DO CÉU…

  4. Valdeir, você tem razão em partes. A igreja hoje está monótona e falha em sua missão, isso é reflexo dos tempos difíceis de esfriamento. Mas nem todos são assim, sempre haverá o remanescente. Os desigrejados vivem uma vida individualismo, você diz que eles são os verdadeiros cristãos que amam o próximo e tal. Mas onde estão? Não tem comunhão, não se reúnem pra adorar e aprender a Palavra. Dizem que creem e vivem como querem. Cono cumprem Mateus 18? Citam o versículo de que onde estiverem dois ou três, mas ignoram que esse capítulo está em um contexto de igreja organizada. Como vao expulsar da igreja (local) o irmão que não quer se arrepender ? Vão na casa de outro desigrejado avisar ele que não faz parte mais da igreja ? Não faz sentido, nesse contexto a igreja é um local onde o corpo se reúne. Você diz que eles saiam da igreja, errado. Eles se reuniam no templo, até começar a primeira perseguição onde tiveram que se espalhar e se reuniam ainda nas Casas. Até que Deus, pela sua providência, permitiu que tivéssemos novamente lugares para nós reunirmos. Não templos sagrados, mas prédios.

    A igreja tem muitos erros, sempre teve e sempre terá, mas é a maneira que temos de nos reunirmos. Atos e as cartas nos mostram que há pastores levantados pelo Espírito Santo para pastorear as igrejas.

    E outra, onde na história os desigrejados estiveram? Em suas casas achando que estão servindo? Em toda a história da igreja, evangelismos, mudança na sociedade, avivamentos, ajuda aos pobres e necessitados, foram feitos por cristaos que se reúnem em igrejas. Se dependesse dos desigrejados o Cristianismo já teria desaparecido.

  5. Valdeir, você tem razão em partes. A igreja hoje está monótona e falha em sua missão, isso é reflexo dos tempos difíceis de esfriamento. Mas nem todos são assim, sempre haverá o remanescente. Os desigrejados vivem uma vida individualismo, você diz que eles são os verdadeiros cristãos que amam o próximo e tal. Mas onde estão? Não tem comunhão, não se reúnem pra adorar e aprender a Palavra. Dizem que creem e vivem como querem. Cono cumprem Mateus 18? Citam o versículo de que onde estiverem dois ou três, mas ignoram que esse capítulo está em um contexto de igreja organizada. Como vao expulsar da igreja (local) o irmão que não quer se arrepender ? Vão na casa de outro desigrejado avisar ele que não faz parte mais da igreja ? Não faz sentido, nesse contexto a igreja é um local onde o corpo se reúne. Você diz que eles saiam da igreja, errado. Eles se reuniam no templo, até começar a primeira perseguição onde tiveram que se espalhar e se reuniam ainda nas Casas. Até que Deus, pela sua providência, permitiu que tivéssemos novamente lugares para nós reunirmos. Não templos sagrados, mas prédios.

    A igreja tem muitos erros, sempre teve e sempre terá, mas é a maneira que temos de nos reunirmos. Atos e as cartas nos mostram que há pastores levantados pelo Espírito Santo para pastorear as igrejas.

    E outra, onde na história os desigrejados estiveram? Em suas casas achando que estão servindo? Em toda a história da igreja, evangelismos, mudança na sociedade, avivamentos, ajuda aos pobres e necessitados, foram feitos por cristaos que se reúnem em igrejas. Se dependesse dos desigrejados o Cristianismo já teria desaparecido.

    • Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel.
      Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras.
      Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima.

      Hebreus 10:23-25

      “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima.”

      O autor de hebreus deixa bem claro essa questão de não se congregar. ele fala que devemos fazer isso.

    • Na verdade, 98% das pessoas que estão nas igrejas, em “comunhão” com os irmãos, procuram apenas cadeiras, ou seja, estão atrás de algum cargo, muitas vezes para satisfazer seu próprio ego, passam por cima de muitos, puxam o saco dos líderes, etc… O fato de não ter uma igreja, não significa que não ajudamos aos mais necessitados, que não seguimos as leis de Deus…

  6. Olá amigos!!
    Estou refletindo um “cada” de tudo. Tomando o máximo de cuidado para não deixar de ser sal e Luz.

    Vamos às questões:

    • Não seriam várias as situações, vários os contextos, várias as respostas, cenários e momentos que podem lançar luzes para se compreender um movimento de retração ou expansao, afastamento e proximidade em relação à “igreja” conhecida como formal e institucional?

    • Conseguiríamos mesmo compreender os movimentos de Jesus na sociedade, seja dita religiosa ou secular e carimbar o que é e o que não é de Deus, ou que parece e o que não parece movimento de Deus? Ou o que pertence e o que não pertence a Deus?

    • Onde estão reunidos os verdadeiros adoradores? Em Jerusalém? Em Samaria? Um lugar específico, uma região específica, onde tem uma placa escrita que ali eles se reúnem?

    • Vc pode dizer onde de fato estão os que adoram em Espírito e em verdade? O Pai os procura, vc poderia ajudar o Pai nessa jornada de achá-los?

    • Separar o joio do trigo por razão de qualquer rótulo, aparência, tradição, memórias, critérios, conceitos, doutrinas… não seria o mesmo que dizer que Jerusalém é a “realidade espiritual” pq lá era o encontro da história com a aparência religiosa mais os ofícios? Não seria o mesmo que dizer que a casa de Marta, Maria e Lázaro em Betânia não era “realidade espiritual” pq lá não encontrávamos nem os ofícios e nem a aparência religiosa? Entretanto para quem foi o Azorrague? Para Betânia ou para Jerusalém?

    • Nao foi o salmista que disse que a luz de Deus já não estava no tabernáculo de Siló?
    • Não foi o profeta Isaias que disse que Deus já não podia suportar as reuniões solenes?
    • Não foi Paulo que nos exortou a percepção que poderíamos nos reunir não para melhor mas para pior?

    O que estou querendo dizer?????

    Deixem as figuras falarem por mim: membro/ corpo ;
    ovelha/rebanho ;
    pedra/cidade;
    quarto/reunião;
    filho/familia

    》Creio na benção da reclusão; Na bênção da solitude; Creio na benção de relações da caminhada nessa vida, verdadeiros cânticos; Creio na benção do servir, do dar e compartilhar onde quer que seja, para quem quer que seja na multiforme sabedoria de Deus.

    》Creio também na sustentação da aparência sem a realidade; da organização sem o organismo; da presença de corpo sem o Espírito.

    》Também Creio na insubordinação, na rebeldia, na ingratidão, homens amantes de si mesmos, irreconciliáveis, sem amor para com os bons e etc e etc como adverte Paulo a Timóteo. Gente com dificuldade de conviver com gente, gente que falece outra gente! Tem momentos que gente assim ruim fica, em outros, gente assim é que sai. Gente mal faz gente boa correr, gente boa faz gente mal também correr…

    Qual a regra? Quem poderá dizer o que é e o que não é de Deus?

    As respostas aqui são uma tentativa de achar uma solução, uma saída ou apenas compreender mesmo, como a minha… Entretanto procuro não ir adiante do que registro aqui. Sei que …..

    ” Enquanto Eu estava com eles, protegi-os e os defendi em teu Nome. E nenhum deles se perdeu,…”

    “E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai.”

    As vezes o modo de Deus fazer as coisas assusta… assusta na graça e na misericórdia… o que parecia que era para ser pode ser que não seja mesmo; e o que era para não ser acaba sendo.

    Eu não queria julgar essa matéria difícil dos “desigrejados”. (nome feio e carregado de feiura)

    Quem pode dizer isso de um lado e do outro? Tanto religiosa quanto secular? Colocar no cantinho e apontar como desigrejado?

    Nada garantimos quer na lógica quer no discurso do argumento … esse fora/dentro tem cara de tribunal … não tem cheiro de Cristo.

    Sei que minha igreja é grande e vc não iria acreditar….

    Creio que as portas do inferno não prevalecerão contra ela!

  7. Se reunir, ter *comunhão* uns com os outros…isso é lindo, mas quase não existe. Quando existe é bem pouco , é frágil, superficial e passageiro. Quanto maior a igreja, menor é o vínculo e a comunhão. Há mais de dois anos não tenho ido à minha igreja. Ninguém sequer procurou saber se estou viva…é muito doida a frieza num lugar onde se prega o amor.

    • Realmente há uma falha no sistema das instituições nos dias de hoje, porem ao irmos a igreja não devemos nos debater com nós mesmos em olhar a vida do irmão ou irmã que está a nossa frente ou ao lado, não devemos estar na posição de juiz, ir ao templo é um momento voltado para a adoração a Deus, o tempo que passamos lá é, e tem que ser, exclusivamente para Ele, por isso é importante existirem. Em nossas casas é difícil servir a Deus nos dias de hoje, uma vez que estamos rodeados de tecnologias que nos atraem. Também fiquei de dois a mais anos sem ir no templo e sinceramente, não foi uma experiência boa eu sentia o meu espirito chorar dentro de mim sedento para adorar ao Senhor, porem as atrações deste mundo me distanciava mais ainda Dele, após uma revira volta voltei e sinceramente esta sendo o melhor da minha vida espiritual, pois sinto o Espirito Consolador em minha vida.

  8. Impressionante como são rápidos em criar um “apelido” que preconceitua e não traz a aclamada comunhão. Nos últimos 10 anos essa explosão de “desigrejados” como queiram dizer, demonstra que há de se levantar uma nova reforma, a reforma protestante de 1500 não é o selo final de que está tudo certo e acabou. Roma institucionalizou a igreja, a fé e o cristianismo, os reformadores se encarregaram de dar uma nova roupagem sem perder a institucionalidade, são fragmentos do mesmo sistema.
    Sou a favor da comunhão, de se reunir em cultos e orações, que haja liderança organizada para direcionar e orientar, que haja ofertas e se volte para os próprios cristãos, quem tem ajuda a quem não tem (é pra isso que ofertavam em Atos), que as ofertas cubram as despesas para viagens em missões de pregação do evangelho, etc…mas não necessariamente isto precisa se parecer com um clube, associação ou cooperativa!
    A regra é a palavra de Deus, corrigir o irmão com mansidão, entregar o pertubado a satanás e explusá-lo da comunhão até que se arrependa e volte, confessar uns aos outros os seus pecados, orar sem cessar, pastores são autoridades na pregação do evangelho e não de poder absoluto a ponto de sua interpretação bíblica ser suprema e trazer fardos antibiblicos aos irmãos, absolutamente tudo deve ser prestado conta e pastores e líderes não devem ter “renda exorbitante”, inclusive podem trabalhar do que quiserem, o apóstolo Paulo não queria se escorar na ajuda da igreja, fazia as missões e arrumava tempo pra uns bicos!

  9. Não deixamos de congregarmos, como é costume de alguns; antes, façamos administrações e tanto mais quanto vezes que o dia se aproxima.
    Hebreus 10, 25
    Chegamos a Deus, e ele chegará a vós outros, purificai as mãos,; e vós que sou de ânimo dobre, limpar o coração.
    Tiago 4, 8

  10. O caminho de quem abandona sua congregação, – Hebreus 10:24, 25, inevitavelmente é a morte espiritual, ainda que eles nem percebam. Quem ama não abandona. A igreja sempre se reuniu, inicialmente em casas, ou salões, Atos 19:9, 10.
    Quantos testemunhos de Deus provendo local para seu povo se reunir? Qualquer desculpa de “desigrejado” nada mais é que rebeldia contra Deus e prova que abandonou o verdadeiro amor.
    Paz.

  11. Se não fosse necessário construir templo para adoração à Deus, então porque Deus permitiu Salomão construir um grande templo? – Ora, vejo que os argumentos apresentados neste trabalho são pontos de vista de cada um, não o que a palavra fala. O povo cristão deixava os templos não porque achavam desnecessário, mas porque foram perseguidos, hoje os jovens estão estão em busca da famosa “LIBERDADE”, que nada mais é do que um argumento para se livrar de ser liderado, muitos querem mesmo é viver a seu bel prazer, sem líder e sem disciplina, sem ordem e sem comunhão com a igreja. Cade o Corpo de Cristo, que é a igreja no seu conjunto, desigrejado não forma conjunto, são individuais, igreja não é individual, ela é o corpo de Cristo onde seus membros é cada um de nós.

  12. Os desigrejados sempre os são pelo mesmo motivo, descontentamento com a igreja local.
    A sensibilidade extrema e o vitimismo causa esse tipo de sentimento nas pessoas que estão dentro da igreja e querem ser bajuladas.

    Porém o evangelho não é uma variável, não se molda aos nossos interesses e nem com a cultura antiDeus presente no mundo. E quando as coisas não são do jeito que a gente quer, procuramos apontar os erros dos outros, pois fazer isso é mais fácil como desculpa pra fazer o que o nosso coração deseja: sair da igreja e viver na libertinagem. Isso os desigrejados não tem coragem de admitir.

    Se há erros na igreja eles devem ser confrontados biblicamente, se há irmãos magoados pratica-se o perdão bíblico e a restauração.
    Agora, usar argumentos teológicos para não ir a igreja é puro humanismo.

    Não dá para separar Cristo da igreja quando Ele mesmo declara que ela é sua noiva, que Ele é o cabeça dela, que deu a sua vida por ela, que voltará para buscá-la e que às portas do inferno não prevalecerão contra ela.
    E até um leigo sabe que quando a Bíblia se refere a igreja, está falando das pessoas que fazem parte do corpo de Cristo e não se refere ao prédio ou templo, que por sua vez não é um fim em si mesma, mas um meio pelo qual os cristãos se reúnem para adorar a Deus juntos.

  13. O próprio TERMO: “DESIGREJADO” é pejorativo e equivocado. Se E SOMENTE SE o CORPO DE CRISTO (VERDADEIRA IGREJA) está além dos portões dos templos, e novamente SE E SOMENTE, uma pessoa JAMAIS APOSTATOU OU NEGOU A FÉ, se mantém em seu chamado, FORA DA INSTITUIÇÃO, têm-se que JAMAIS SAIU DA IGREJA (DE FATO).
    A mim parece simples essa percepção. A obrigatoriedade em pertencer, unida aos fato: JOIO PODE SER DO MINISTÉRIO? (Como cansamos de vê-los). Ao longo do tempo uma instituição pode sistematicamente SER CORROMPIDA EM SUA ESTRUTURA? Por exemplo O USO RIDÍCULO E ESCANDALOSO DE TEMPLOS PARA PALANQUES POLÍTICOS E PARA DEFONSORIA DE CORRUPTOS VIOLENTOS E CONTUMAZES…(um mero exemplo).
    Enfim, são os “templários” que definem o que é IGREJA?
    Acredito que poderíamos parar de por a culpa NOS CARAS, QUE SÃO EFEITO DA SECULARIZAÇÃO ESTRUTURAL….

    Pax et Lux

  14. Não tenho problema nenhum com templo, pois na igreja primitiva os irmãos se reuniam nas casas e também no templo, porém o templo não pertencia há uma denominação criada por homens, com dogmas e regras criadas por homens e idéias mirabolantes, criadas por homens para “prender” as pessoas em seus cultos. Honestamente eu cansei. E hoje busco ao Pai, oro, passo tempo com o Pai em meus “devocionais” e estou ótimo e cada dia mais próximo de Deus. Prá mim, o termo desigrejado é apenas um rótulo criado pela igreja evangélica, ou pelos que lá estão, para demonstrar seu preconceito e rejeição pelos que não concordam com suas práticas. Que o Pai abençoe a todos!

  15. É interessante notar como poucas vezes se discute a falta de uma genuína experiência da presença e manifestação do Espírito Santo nas igrejas hoje em dia. Em vez disso, muitas vezes nos deparamos com um formalismo religioso que parece sufocar a verdadeira essência da fé. A questão vai muito além do que geralmente se comenta e merece uma análise mais profunda. Para aqueles que desejam explorar essa temática de forma abrangente e reflexiva, recomendo a leitura do livro “Além das Paredes Sagradas – Desigrejados”. Este livro oferece uma perspectiva única e provocativa sobre o tema, convidando os leitores a refletirem sobre o papel da igreja e da espiritualidade em nossas vidas. Vale a pena mergulhar nessa leitura para uma compreensão mais ampla e enriquecedora. Agora em 2024.

  16. Noto uma grande confusão entre Igreja (corpor de Cristo) e Igreja (corpo institucional, corporativo, empresarial na orientação administrativa). Creio que a verdadeira Igreja de Cristo não está (e nem pode estar) confinada às quatro paredes de um templo. Salomão, quando da inauguração do Templo de Israel, já dizia isso: de que Deus não pode ser confinado em templos feitos por maõs humanas. Neste sentido, feito as devidas conjecturas, vemos que existem pessoas que abraçam a instituição e “vestem a camisa” para defender sua hierarquia, poder e ação. Essas pessoas geralmente obtêm seu sustento e carreira dessas instituições. Então elas confundem a corporação com o “Corpo de Cristo”. Esse Corpo de Cristo, sim, além de não precisar de templos, bastam “dois ou três” que concordem entre si para que o Senhor mesmo esteja entre eles (não será isso a verdadeira Igreja?). Desigrejados, creio, não são contra a Igreja de Cristo, mas ardem num desejo profundo de resgatar esse Corpo. As questões éticas e morais não devem existir apenas na Igreja, mas no mundo, nas relacões individuais de cada um, no mundo como um todo. a verdadeira razão de existir da Igreja deve ser a promoção do REINO DE DEUS no mundo (projeto começado por Jesus e interrompido drasticamente pela institucionalização da fé e sequestro das liberdades individuais e autoridade da verdadeira Igreja, transformada em um projeto de poder secular).

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here